A Comissão de Ética Pública da Presidência da República reuniu-se hoje e tratou de questões relacionadas às recentes denúncias envolvendo ministérios e órgãos do governo. Segundo o presidente da comissão, Sepúlveda Pertence, a comissão decidiu solicitar ao ex-secretário-executivo do Ministério da Agricultura Milton Ortolan informações sobre as denúncias publicadas pela imprensa no último final de semana.

Segundo reportagem da Revista Veja, Ortolan teria autorizado o lobista Júlio Fróes a atuar dentro do ministério, o que o levou a pedir exoneração do cargo. Mesmo já exonerado, Ortolan terá que prestar as informações à Comissão.

Além disso, a comissão vai questionar o ex-diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) Luiz Antônio Pagot se é verdade que ele não vai cumprir a quarentena antes de assumir função na iniciativa privada e também fará uma censura pública ao ex-diretor da Conab Oscar Jucá Neto por ele não ter entregue sua declaração do imposto de renda. Pagot e Jucá Neto deixaram os cargos também depois de denúncias de irregularidades e corrupção envolvendo os órgãos.

A Comissão de Ética pediu também à Controladoria Geral da União (CGU) que informe o que já foi apurado com relação às denúncias envolvendo a pasta dos Transportes. A Comissão não chegou a tratar de denúncias envolvendo o titular da Pasta da Agricultura, Wagner Rossi