Após almoço reservado com o presidente nacional do Democratas, José Agripino Maia, o governador de Santa Catarina Raimundo Colombo voltou a ratificar seu desejo de permanecer no partido. “Vamos continuar sendo oposição, mas numa posição inteligente que abdique da crítica direta. O DEM precisa estar voltado para o mesmo objetivo”, ressaltou Colombo, após deixar um restaurante em Blumenau na última sexta-feira. Participaram da reunião o ex-senador Marco Maciel e o presidente do partido em Santa Catarina e prefeito de Blumenau João Paulo Kleinübing.

A estratégia, conforme a ideologia dos atuais líderes do partido, é seguir com uma política nacional que possa buscar uma costura de apoio ao governo federal em troca de recursos para os Estados e municípios. A filosofia também é compartilhada pelo ex-senador e presidente de honra do DEM Nacional Jorge Bornhausen. Ele entende que o momento é de costurar uma “aliança” com o governo federal, sem brigas pessoais ou ideológicas.

Colombo não confirma, mas no início de março chegou a ensaiar sua saída do partido juntando-se ao prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, mentor da fundação de uma nova sigla nacional, o Partido Social Democrático (PSD). O governador catarinense desconversa sobre o assunto repetindo que vai continuar no partido. Ele diz considerar que a legenda continua forte em Santa Catarina e que nas últimas eleições cresceu bastante com a ajuda do PMDB e o PSDB.