A Controladoria-Geral da União irá realizar uma auditoria no Conselho Administrativo de Recursos fiscais (Carf). Conselheiros do órgão são alvos da Operação Zelotes, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, que investiga um esquema de sonegação fiscal envolvendo o conselho.

A iniciativa da CGU atende ao pedido do relator da subcomissão da Zelotes na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta (PT-RS). De acordo com a CGU, a auditoria ainda está em fase de planejamento e os trabalhos devem ser iniciados somente no segundo semestre deste ano.

A controladoria avaliará se os conselheiros do Carf respeitaram o Regimento Interno do órgão, inclusive na escolha dos membros do conselho, e a distribuição dos processos e os procedimentos relativos aos trâmites e regras de julgamento. Caso sejam identificadas irregularidades, a CGU vai encaminhar a análise para a Corregedoria do Ministério da Fazenda e, se necessário, para a Polícia Federal e o Ministério Público Federal.

Última instância administrativa a que os contribuintes podem recorrer contra decisões da Receita, o Carf teve suas atividades interrompidas em março, por causa das investigações da Polícia Federal que descobriu a existência, no órgão, de uma articulação criminosa para anular ou reduzir multas aplicadas a empresas.

A Operação Zelotes descobriu fraudes bilionárias em favor de grandes empresas. Nas apurações iniciais, a polícia identificou perdas de cerca de R$ 6 bilhões para a Receita Federal. O esquema de propinas e de tráfico de influência entre conselheiros do Carf pode ter causado prejuízos de mais de R$ 19 bilhões.

CPI

Além das investigações no âmbito do Ministério Público e da CGU, o Carf também vem sendo investigado pelo Senado, que criou neste ano a CPI do Carf. No mês passado, os parlamentares aprovaram a convocação de vários executivos do setor automobilísticos para depor no Senado sobre as suspeitas de irregularidades.