Cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação, o deputado estadual Geraldo Cartário (PDT) nem esperou a publicação da decisão do TSE para deixar a Assembleia Legislativa.

Alegando problemas de saúde na família, Cartário pediu, ontem, licença da Casa e, até, já retirou alguns de seus pertences do gabinete. Eleito pelo PMDB, Cartário deixa a cadeira aberta ao suplente do partido do governador Roberto Requião, Ademir Bier (PMDB).

Bier, que já pode tomar posse hoje, será o 17.º deputado do PMDB na Assembleia, aumentando a maior bancada partidária na casa, que, agora, terá 10 parlamentares a mais que o segundo maior partido, o PSDB.

Ex-prefeito de Marechal Cândido Rondon, Bier foi deputado estadual por dois mandatos, entre 1999 e 2006. Não reeleito para a atual legislatura, foi nomeado diretor administrativo financeiro da Ferroeste.

Cartário, que não comentou a decisão do TSE, proferida no último dia 12, prometeu utilizar a tribuna da Assembleia ontem para explicar sua situação e a estratégia da defesa que ainda pode recorrer ao pleno do Tribunal. Mas, em vez do pronunciamento, o deputado enviou ofício à mesa executiva da Casa, comunicando o afastamento.

O pedetista foi denunciado nas eleições de 2006 pelo diretório do PPS de Fazenda Rio Grande, município da Região Metropolitana de Curitiba, onde o deputado tem base eleitoral, e pelo Ministério Público Eleitoral por distribuir presentes aos eleitores, selecionados em programas de rádio de uma emissora de sua propriedade, além de usar a emissora para promover sua candidatura e criticar os adversários políticos.

Teve o registro cassado antes das eleições, mas concorreu amparado por liminar do próprio TSE. Agora, no mérito, a corte de Brasília confirmou a cassação de registro de candidatura do deputado.

Pela decisão, o deputado perde o mandato por não ter registro e ainda é considerado inelegível por mais três anos. Apesar do pedido de licença, a defesa de Cartário ainda tentará o recurso que poderá reaver seu mandato.

O advogado de Cartário é o ex-ministro do TSE Fernando Neves, que também está atuando na defesa do deputado estadual Antonio Belinati (PP), que teve o registro cassado após vencer as eleições em Londrina. A reportagem não conseguiu contato com o deputado Cartário para comentar seu afastamento.