Foto: Roberto Corradini/SECS

Johnson vai recorrer.

Numa sessão que iniciou na manhã de segunda-feira e foi encerrada às 4h da manhã de ontem, a Câmara Municipal de Rio Branco do Sul (Região Metropolitana de Curitiba) cassou o mandato do prefeito Amauri Cezar Johnson (PSC) por improbidade administrativa. Esse foi o quarto prefeito cassado no município nos últimos cinco anos.

Na sessão encerrada ontem, seis dos nove vereadores que compõem a Câmara Municipal precisavam votar pela cassação para que o prefeito perdesse o mandato. Com uma abstenção, Johnson foi cassado por sete votos a um na votação que o julgou responsável por desvio de recursos e fraude em licitações.

Amauri Johnson foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por desvio de recursos públicos, contratação irregular de obras e serviços e fraude em licitação. As ações movidas pelo MP ainda tramitam no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), que, se condená-lo, pode suspender seus direitos políticos. O prefeito cassado alegou que não teve direito de defesa e informou que seus advogados vão ingressar ainda nesta semana com um mandado de segurança para que Johnson reassuma a prefeitura. Ele disse esperar ser reconduzido em breve ao cargo.

Antes de Johnson, o prefeito eleito no pleito de 2004, Pedro Portes de Barros (PP), foi cassado três meses depois de tomar posse, condenado por crime eleitoral de compra de votos. Assim, Johnson, segundo colocado nas eleições, assumiu a Prefeitura. No mandato anterior, o prefeito eleito em 2000, Bento Chimelli, foi afastado do cargo em 2002, acusado de homicídio. Sua vice-prefeita, Joana Elias, ficou no cargo até 2004, quando foi cassada por improbidade administrativa, e o presidente da Câmara, vereador Elias Maltaca (PMDB), terminou o mandato.

Novo prefeito

Às 10h da manhã de ontem, tomou posse o sexto prefeito de Rio Branco do Sul nos últimos cinco anos. O então vice-prefeito, Emerson Santos Stresser, assumiu a Prefeitura Municipal, numa cerimônia marcada pelo forte esquema de segurança armado, com ruas bloqueadas e um grande efetivo de policiais militares.

Em entrevista à Rádio CBN, o novo prefeito disse que já não mantinha mais relações com Amauri Johnson e não quis comentar com maiores detalhes o momento político que o município atravessa. ?Entrei agora e vou ter respeito com a Câmara. Ter diálogo e humildade, isso é o que o povo quer?, declarou, ciente do poder dos vereadores municipais.