O governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), levará à reunião com o governo federal, na semana que vem, dois pleitos principais: investimentos diretos da União da ordem de R$ 2,5 bilhões na linha 3 do metrô, na Região Metropolitana, e novas condições para o pagamento da dívida do Estado.

“Queremos discutir com a presidenta Dilma mais investimento em mobilidade porque o governo federal não tem recursos diretos neste setor. São recursos do Estado ou empréstimos. Na questão da redução da dívida, é uma relação profundamente injusta, sufocante. Pago R$ 7 bilhões por ano e o indexador é pernicioso, com alíquota de 13% da receita líquida. Estados como o Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul não aguentam. São valores insuportáveis. É um debate que não dá para adiar mais”, afirmou o governador, depois de uma solenidade de assinatura de convênio para incentivo do plantio de cana de açúcar no norte fluminense.

Segundo Cabral, o governo do Estado levará à Casa Civil uma proposta de construção do metrô que ligará os municípios de Itaboraí, São Gonçalo e Niterói com um desenho mais barato do que o gasto inicial previsto, de R$ 4 bilhões.