A volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) para financiar a saúde tem a reprovação de 72% dos brasileiros, indica pesquisa feita pelo Ibope, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Vinte por cento dos entrevistados são a favor e 7% não sabem ou não responderam.

Entre os entrevistados, 81% concordam total ou parcialmente que, considerando o valor dos impostos, a qualidade dos serviços públicos deveria ser melhor no Brasil. De acordo com a CNI a opinião é mais frequente quanto maior o nível de renda familiar do entrevistado.

A pesquisa revela ainda que a população brasileira aprova a qualidade de apenas quatro serviços públicos, de um total de 12 pesquisados. Segundo os entrevistados, são considerados satisfatórios o fornecimento de energia elétrica e de água, a iluminação pública e a educação superior.

Postos de saúde e hospitais foram considerados os piores serviços públicos: 81% dos entrevistados os avaliam como de baixa ou muito baixa qualidade. A pesquisa, feita pelo Ibope, também mostra que, para 72%, os serviços de segurança são de baixa ou muito baixa qualidade.

No caso da energia elétrica, o fornecimento é aprovado por 75% dos entrevistados, sendo que para 18% o serviço é de alta ou muito alta qualidade. O abastecimento de água recebeu a aprovação de 66%. No caso da iluminação pública e da educação superior, os percentuais de aprovação são de 61% e 52%, respectivamente.

A pesquisa mostra ainda que 50% dos entrevistados aprovam os serviços de limpeza urbana. Segundo a CNI, a outra metade os avalia como de baixa ou muito baixa qualidade.

Além de avaliar a qualidade dos serviços públicos, o levantamento traz dados sobre a tributação no país. Foram entrevistadas 2.002 pessoas, em 140 municípios, entre os dias 4 e 7 de dezembro de 2010.