Brasil e Estados Unidos devem assinar na semana que vem um acordo de cooperação na área de defesa. Os dois países criarão embasamento jurídico para cooperação nas áreas de pessoal, material e treinamento de militares. Há cláusula de garantia para respeito à soberania, não intervenção em assuntos internos e inviolabilidade territorial. Essa parte foi incluída após divergências entre ambos sobre as bases norte-americanas na Colômbia.

O pacto entre Brasil e EUA poderá ser firmado em Washington – se o ministro da Defesa, Nelson Jobim, acompanhar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a cúpula sobre a não-proliferação nuclear – ou em Brasília, durante a visita do secretário da Defesa norte-americano, Robert Gates. O acordo, que começou a ser negociado durante o governo de George W. Bush, não prevê o acesso e construção de instalações militares.