O governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), se reuniu nesta quarta-feira, 12, com o presidente eleito Jair Bolsonaro no centro de transição. Segundo o governador, eles discutiram assuntos relacionados à segurança pública e saúde do DF, temas que envolvem o governo federal de forma direta.

“Eu quis antecipar esses dois assuntos para que, no momento adequado, a gente construa soluções que venham resolver o problema da segurança no DF e também o problema da saúde”, disse Ibaneis a jornalistas depois do encontro.

O futuro governador citou a estruturação do Fundo Constitucional do Distrito Federal. Durante a campanha, o emedebista defendeu que a aposentadoria de policiais fosse retirada do fundo constitucional, que gerou polêmica entre as entidades.

“Um dos principais (problemas) que nós temos é a estruturação do fundo constitucional que tá se transformando em um fundo de previdência”, disse. “Eles (aposentados) são hoje remunerados pelo fundo constitucional e isso tá fazendo com que o numero de policiais na ativa tenha diminuído ao longo dos anos. Hoje, nós temos um efetivo de metade de quando o fundo constitucional foi constituído.”

O governador eleito disse ainda que não é possível fazer segurança pública da capital sem ajuda do governo feral. “Não há possibilidade de se fazer segurança pública em uma cidade que tem todas as embaixadas, todos os ministérios, autoridades das mais diversas se nós não tivermos o apoio (federal).”

Além de Ibaneis, Bolsonaro recebeu também o governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), e o governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC). De acordo com o governador do DF, os Estados vivem hoje uma dependência muito grande do governo federal.

“Ao longo dos últimos anos, ao longo da Constituição Federal, houve uma concentração muito grande, uma ação de renda muito forte na arrecadação da União, penalizando os Estados e municípios. Então, essa proposta do ministro Paulo Guedes e do próprio presidente da República de devolver aos Estados esses valores para que nós possamos fazer os investimentos nas áreas prioritárias tem sido discutido com os governadores”, disse.

“Existe uma carência total na área de segurança, de saúde, investimento, educação e infraestrutura para que a gente possa gerar emprego e renda. Isso é uma pauta comum a todos os governadores”, completou.