O encontro dos dois principais candidatos ao governo do Estado, Beto Richa (PSDB) e Osmar Dias (PDT), com empresários ontem em Curitiba, na Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), teve críticas de lado a lado, em meio à apresentação de propostas.

Primeiro a ser recebido pelos empresários, Osmar criticou a implantação da Linha Verde, um dos carros-chefe da gestão de Beto à frente da prefeitura de Curitiba. “Não resolveu os problemas do trânsito. Não tem trincheira nem viaduto. É bonita, mas não funciona”, definiu o candidato do PDT.

Já informado do que seu adversário havia comentado, Beto defendeu sua obra. “Foi um avanço significativo. Só pode criticar quem não conhece”, rebateu Beto, que prometeu prolongar a Linha Verde até Fazenda Rio Grande. Beto justificou a falta de trincheiras e viadutos porque o projeto original da obra, da administração anterior, não podia ser alterado.

Outro ponto de divergência foi o transporte coletivo de Curitiba, que Osmar sugeriu que não é mais o mesmo ícone do que chegou a ser anos atrás. Beto, então, comparou o transporte público da capital com Londrina.

“Esse que me critica deveria prestar atenção na administração do seu partido. Em Londrina, a passagem é R$ 2,25, enquanto em Curitiba é R$ 2,20. A não ser que queira comparar o transporte de Londrina com o transporte que é referência mundial”, disse Beto, referindo-se a Barbosa Neto (PDT), prefeito de Londrina. Beto soltou mais críticas ao ex-governador Roberto Requião (PMDB), candidato ao Senado.

Ciciro Back
Osmar Dias: “Não tem trincheira nem viaduto”.

“O Paraná não tem acesso aos recursos disponíveis no governo federal porque faltou planejamento. Não sei se é preguiça ou falta de sensibilidade”. Beto reclamou que o governo estadual se reuniu apenas uma vez com a bancada de deputados federais. “Acho que tive uma melhor relação administrativa com o governo federal do que o próprio governo estadual, atraindo mais recursos”, disse.

A venda do Banestado voltou para a ser discutida. “É uma privatização equivocada. Não tem que vender empresa pública em dificuldade, tem que melhorar”, acredita Osmar.

“O banco estava quebrado. Só servia para favores políticos”, opinou Beto. Entre os pontos em comum, os candidatos prometeram modernizar o Porto de Paranaguá, duplicar rodovias e melhorar os índices do PIB paranaense.

Beto e Osmar receberam um documento com os anseios do setor produtivo do Paraná. Para os dois, as linhas gerais das sugestões feitas pelos empresários estão muito próximas dos itens que constam no plano de governo de cada um.

Horário eleitoral

Os dois candidatos acreditam que o início do horário eleitoral gratuito, amanhã, começa a definir os rumos da eleição. “A campanha vai esquentar agora, quando a população começa a definir seu voto”, declarou Beto.

Para Osmar, o horário eleitoral vai dar tempo suficiente para detalhar cada proposta. “A partir da apresentação das propostas, a população vai ver a diferença que existe entre os dois projetos e os dois candidatos”.

Perguntado sobre as recentes pesquisas, que dão vantagem de mais de 10 pontos para Beto, Osmar amenizou. “Em 2006, a história era assim e nas urnas a história se mostrou muito diferente”, lembrou. Na ocasião, pesquisas apontavam que não haveria segundo turno. A diferença, que chegou a ser registrada em até 14%, foi de apenas 0,6%.