O governador Geraldo Alckmin (PSDB) evitou hoje comentar as denúncias que atingem o Ministério da Agricultura e a atuação da presidente Dilma Rousseff na condução da crise. “A crise no ministério é um assunto federal e cabe à presidente falar sobre isso”, desconversou, após participar da abertura do 10º Congresso Brasileiro do Agronegócio, em São Paulo. Alckmin deve receber ainda neste mês a visita de Dilma em São Paulo, onde ela deve assinar dois convênios. Um deles é para a construção da via norte do Rodoanel Metropolitano, ligando o aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, ao Porto de Santos. O outro convênio é para a ampliação da hidrovia Tietê-Paraná, que interliga São Paulo e os Estados do Centro-Oeste.

O governador também não comentou a crise no Ministério dos Transportes. “Independente de questões éticas, precisa haver investimentos no sentido de melhorar a logística”, disse.

Sobre o cenário externo, o governador tucano disse que o aprofundamento da crise internacional preocupa e que são necessárias medidas para elevar o dólar ante o real. “O câmbio gera uma situação cômoda para o governo. (A valorização do real) é uma maneira de controlar a inflação, mas de uma maneira ruim. Não entramos no cerne da questão que é o excesso de gasto público e a carga tributária elevada”, criticou.