O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciará a partir da próxima semana os nomes do futuro secretariado. Após reunião do governo de transição, na capital paulista, Alckmin salientou hoje que os anúncios serão feitos aos poucos. Ele reafirmou que alguns secretários da atual gestão podem permanecer, mas não citou nomes. O tucano foi evasivo ao responder sobre se o ex-governador José Serra (PSDB) teria lugar na equipe. “Pergunte isso a ele”, respondeu.

O governador eleito de São Paulo defendeu a criação de uma secretaria no novo mandato que foque as questões metropolitanas. O objetivo da pasta, de acordo com Alckmin, não seriam apenas as questões econômicas e de produção de riquezas, mas também ações voltadas para combater as vulnerabilidades sociais. “A questão metropolitana é uma das nossas prioridades”, disse.

Na primeira reunião oficial do gabinete de transição, que durou aproximadamente três horas, o governador eleito encontrou-se com nove integrantes da equipe, entre eles o vice-governador eleito Guilherme Afif Domingos (DEM) e os atuais secretários da Fazenda, Mauro Ricardo, e de Economia e Planejamento do Estado, Francisco Vidal Luna.

A avaliação que Alckmin fez do encontro foi positiva. De acordo com ele, a reunião tratou, principalmente, de questões orçamentárias, além de ter discutido operações de crédito para a nova gestão. “Conversamos sobre questões orçamentárias do Estado porque temos um bom orçamento para o ano que vem”, afirmou ele, observando que a previsão orçamentária para 2011 é de R$ 140,6 bilhões.

Segundo Alckmin, dessa quantia, R$ 29 bilhões serão transferidos para as prefeituras. Quanto às operações de crédito, Alckmin detalhou que o governo de São Paulo já assinou em torno de R$ 10 bilhões e acrescentou que ainda existe a possibilidade da assinatura de empréstimos no valor R$ 4,7 bilhões.