César Brustolin/SMCS
Comissão faz primeira reunião.

 

A administração Gustavo Fruet (PDT) herdou dívida superior a R$ 72 milhões referente ao pagamento da coleta e transporte de lixo. O montante foi revelado na primeira reunião da comissão criada pelo prefeito para definir o futuro da coleta, transporte e tratamento do lixo, na manhã de ontem. “Essa é mais uma bomba-relógio deixada pela gestão anterior e precisa ser tratada com responsabilidade”, declarou Fruet.

Segundo a comissão, são R$ 58.340.592,91, resultado de seis meses de inadimplência do ano passado, mais R$ 13.742.822,83, a vencer neste mês. O total corresponde a 25% do orçamento anual da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

O grupo de trabalho também analisou a situação da atual licitação, paralisada por ações judiciais, para a formação do Sistema Integrado de Aproveitamento de Resíduos Sólidos (Sipar). Outro tema tratado foi o atual modelo de disposição final do lixo. Como a licitação segue sem vencedor, os resíduos vêm sendo encaminhados para dois aterros provisórios, um em Fazenda Rio Grande e outro na Cidade Industrial de Curitiba.

Repasse

Em outra área com pendências financeiras, a Secretaria Municipal de Saúde repassou mais R$ 2,54 milhões ao Hospital Evangélico para garantir a manutenção dos serviços nas unidades de saúde nas quais a instituição mantém convênios com a prefeitura. A antecipação desse recurso foi o meio legal encontrado para viabilizar o pagamento e a continuidade dos serviços médicos, porque a dívida de R$ 3,245 milhões em serviços prestados entre outubro e dezembro só será paga após análise do Comitê de Transparência e Responsabilidade Financeira.