A seção Paraná da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel/PR) protocolou ontem, no Tribunal de Justiça do Paraná, um mandado de segurança coletiva em nome de seus 353 associados contra a lei antifumo votada pela Câmara de Vereadores de Curitiba e sancionada recentemente pelo prefeito Beto Richa (PSDB).

Vestindo uma camiseta com a inscrição “Responsabilidade sim, enganar o povo não”, os empresários do setor e membros da Abrasel/PR partiram da Assembleia Legislativa do Paraná rumo ao Tribunal de Justiça, protocolar o documento que continha mais de 300 páginas.

De acordo com diretor executivo da Abrasel/PR, Luciano Bartolomeu, a associação está se posicionando dessa forma para o melhor desenvolvimento do setor. “Não estamos protocolando essa ação por aprovar o consumo de cigarro. Estamos preocupados em defender os empresários de bares e restaurantes. Não podemos servir de bode expiatório para medidas políticas no Estado”, afirma.

O intuito de evitar o conflito entre os clientes e proprietários de bares e restaurantes também foi apontado pelo diretor. “Não podemos deixar que o conflito entre as duas partes ocorra. De acordo com a lei, devemos chamar a polícia caso o cliente insista em fumar onde é proibido. Os fumantes não são bandidos, além disso, não podemos deixar de receber clientes que já são frequentes em nossos restaurantes por conta do consumo do cigarro. Se fosse assim, começaríamos e evitar a entrada de diversas outras culturas em nossos ambientes, isso é inadmissível”, completa. De acordo com ele, a alternativa seria a criação de ambientes específicos para fumantes e outros para não fumantes. Evitando assim o contato.