Brasília – Os policiais federais optaram por manter o ritmo normal de trabalho na Semana Santa. A decisão de não trabalhar em esquema de operação padrão foi tomada nesta segunda (2) e terça-feira (3), em assembléias realizadas em cada estado.

De acordo com o presidente da Federação Nacional dos Políciais Federais, Marcos Wink, o passageiro que quiser retirar o cartão de embarque só precisa passar pelo check in e apresentar a carteira de identidade.

"Quando a gente faz uma operação padrão com fiscalização rigorosa de todos os passageiros, isso gera filas e atrasos. Se os aeroportos estão com problemas e a polícia federal fizer essa fiscalização em aeroportos como Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, isso vai gerar um trastorno muito grande. Então, optamos por fazer o trabalho por amostragem".

Embora afirme que a categoria está "insatisfeita" com o governo federal desde julho de 2006, ele disse que os profissionais não querem fazer uso da operação padrão para reivindicar reajuste salarial no momento em que o setor aéreo enfrenta uma crise.

No ano passado, os políciais federais, o Ministério do Planejamento e da Justiça assinaram um acordo para reajustar os salários em 30%, mas Wink diz que até agora o aumento não saiu do papel. "Vamos esperar uma resposta do governo".

De acordo com ele, uma reunião para discutir o assunto deve ocorrer na semana que vem com representantes da polícia e dos ministérios envolvidos na negociação. As assessorias de comunicação do Planejamento e da Justiça confirmam o encontro.

Wink afirmou, ainda, que, caso o governo não atenda às reivindicações, haverá uma paralização da categoria com passeata na Esplanada dos Ministérios em Brasília no dia 18 de abril.