Um homem, acusado de roubar várias chácaras na Região Metropolitana de Curitiba, foi preso nesta terça-feira (20) pela Polícia Militar, com o apoio da Polícia Civil. O ladrão, segundo informações das vítimas, agia vestido com farda da PM e usava uma moto nos roubos. Fábio Rodrigo da Costa, 22 anos, foi preso em sua casa, no bairro Umbará, em Curitiba. Com ele, foram apreendidos uma moto vermelha e diversos equipamentos usados em serviços agrícolas e de manejo de animais, além de furadeiras e motosserras sem comprovação de origem e que possivelmente tenham sido roubados das chácaras.

De acordo com a PM, Costa foi encontrado através da placa da moto usada nos roubos, anotada por uma das vítimas. A moto está no nome dele e está em situação legal. No momento da prisão, ele vestia a calça da farda da PM; a camisa foi encontrada em um dos cômodos da casa. O rapaz negou os crimes e disse que sua mãe, que trabalha como doméstica, ganhou a farda de um policial.

Durante a noite de ontem, a Polícia Militar fez mais buscas, com informações que Costa forneceu sobre o local onde estavam outros objetos roubados. Os policiais foram até uma residência no bairro Umbará, em Curitiba. Lá, eles encontraram vários objetos, sem procedência de compra, que encheram cinco viaturas. Foram encontrados mais de cem itens, entre equipamentos de pesca, motosserras, televisões, DVD?s, brinquedos, bicicletas e roupas, entre outros objetos, provavelmente roubados de chácaras.

Um homem, que ajudaria Fábio nos roubos, é procurado pela polícia. Segundo as informações, os dois são responsáveis por diversos ataques a chácaras em Mandirituba, Areia Branca, Araucária, Contenda e Quitandinha. Fábio Rodrigo da Costa está preso na delegacia de Fazenda Rio Grande, onde foi indiciado por furto e roubo, e ficará à disposição da Justiça. ?Reunimos mais de 20 boletins de ocorrência de um homem fardado que assaltou chácaras com uma moto?, disse o delegado de Fazenda Rio Grande, Antônio da Rocha Paes Filho.

Segundo ele, os objetos encontrados serão devolvidos às vítimas. ?Já recebemos diversas ligações de vítimas de assalto. É necessário que a pessoa traga o boletim de ocorrência de registro do roubo ou algum documento que comprove que o objeto pertença a ela?, explicou o delegado.