Investigadores da Delegacia de Vigilância e Capturas (DVC) prenderam, na tarde desta quinta-feira (19), Edevir Luciano, 25 anos. Ele é acusado de integrar uma quadrilha desmantelada pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). O bando do qual ele fazia parte seria responsável pelo roubo ao Banco Real, em dezembro do ano passado, e à Joalheria Aristides, em setembro. Edevir foi preso na casa de sua sogra, no bairro Tanguá, em Curitiba. Ele tentou fugir, mas foi encontrado dentro da caixa de água de uma churrascaria vizinha à residência.

Conforme o delegado Gerson de Mello Runpfe, da DVC, Edevir Luciano teve a prisão preventiva decretada a pedido do Cope, quando da prisão dos outros cinco integrantes do bando. ?Desde que tomamos conhecimento da decretação da prisão, trabalhávamos para cumprir a ordem judicial?, comentou. ?A equipe dos investigadores Brito, Gilberto, Celso e Marcos fez buscas e localizou o foragido?, completou. Segundo os investigadores, o acusado contou que estava arrumando o telhado da casa da sogra e, ao ver que estava cercado, pulou e se escondeu na caixa de água da churrascaria ao lado da casa.

Em março, o Cope prendeu o quinto integrante da quadrilha. Marco Aurélio Monteiro, 26 anos, foi detido próximo de sua residência, na entrada de Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba. O caso vinha sendo investigado pelo delegado Renato Bastos Figueiroa, que concluiu que o roubo ao banco e à joalheria foram praticados pelo mesmo grupo. O prejuízo foi de R$ 412 mil. Os outros acusados de participar da quadrilha são Ronaldo Adriano Stranhoto, 24 anos, e seu irmão Rodrigo Stranhoto, 26, Célio Afonso da Silva, 31, e Cleonice do Rocio Leichsering, 30. Os irmãos Stranhoto foram presos por outros crimes e por outras unidades da Polícia Civil, assim como Cleonice.