O líder do PT, deputado Henrique Fontana (RS), afirmou que o Congresso ainda deverá se posicionar sobre o reajuste salarial dos deputados e senadores. "Não se pode imaginar que se conceda um reajuste como esse sem consultar o Plenário. Ele disse que o Congresso deverá tomar uma decisão sobre o reajuste até o fim desta semana, quando deverão ser encerradas as atividades do Plenário. Para ele, com a votação em Plenário, a grande maioria vai ser contra o reajuste de 91% e deve aprovar um "aumento mais razoável". Fontana afirmou também que não considera a possível derrubada do reajuste pela Justiça uma interferência no Legislativo.

Fontana reafirmou que a posição do partido é firme contra o reajuste de 91%, que equipara os salários dos deputados e senadores aos dos ministros do STF. Ele propõe algumas medidas, como uma nova reunião das Mesas da Câmara e do Senado com os líderes; a votação em plenário de um projeto de decreto legislativo do deputado Walter Pinheiro (PT-BA), que concede reajuste para cobrir a inflação (de 26% a 28%); e a retomada do diálogo para tentar convencer os deputados favoráveis ao reajuste a voltar a atrás.

"Com um projeto de decreto legislativo, podemos recuperar a credibilidade do Parlamento", afirmou.

Plenário

O deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) considerou uma "vitória do povo brasileiro" a derrubada do reajuste. "O próximo passo é a votação do aumento em plenário [da Câmara e do Senado]", disse Fernando Gabeira, que participa de audiência pública sobre a crise no setor aéreo brasileiro, aberta há pouco. Na avaliação do deputado, os ministros do STF sentiram o peso da indignação popular com o reajuste.