Técnicos do governo do Estado, integrantes do Conselho de Litoral e representantes da prefeitura acompanharam a apresentação do plano diretor de Pontal do Paraná, que terá características especiais para que o município possa sediar um porto marítimo na região da Ponta do Poço. “Essa decisão de governo vai mudar radicalmente o perfil sócio-econômico do município, hoje com atividades voltadas basicamente para o turismo de veraneio”, avaliou o superintendente do Paranacidade, Forte Netto.

O governo do Estado pretende aproveitar o calado profundo e natural da Ponta do Poço e construir um terminal portuário voltado para o Mercosul. O novo porto terá 17 berços de atracação de navios, poderá ser construído em 24 meses e atende o crescimento as exportações do Paraná, Estados vizinhos e de países do Mercosul. O projeto de plano diretor leva em conta a infra-estrutura necessária para a execução da obra de modo a não causar danos ambientais, turísticos e urbanístico.

O arquiteto Forte Netto explicou que a área do governo que trata das questões urbanas vem trabalhando um conjunto de soluções para o município diante das transformações que vão ocorrer com a implantação do porto. Entre as preocupações, está a construção de uma nova rodovia ligando a Ponto do Poço à BR-277, além de áreas de apoio às atividades portuárias como terminais, pátios e outros serviços voltados à exportação.

O município de Pontal do Paraná foi desmembrado de Paranaguá há nove anos e possui 23 quilômetros de costa. Na região da Ponta do Poço, a profundidade do mar permite a atracação de navios com capacidade de até 70 mil toneladas. As condições geológicas também são favoráveis e possibilitam a construção do porto a custos abaixos da média, já que a região não exige trabalhos de dragagem.

Estudos iniciais indicam que a construção demandaria investimentos de US$ 180 milhões em uma área de aproximadamente 1,1 milhão de metros quadrados. O superintendente do Paranacidade destacou que a preocupação das autoridades estaduais é estabelecer as condições urbanas ideais para o município diante dessa nova realidade.