Brasília – O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse hoje (3) que a proposta de um piso salarial nacional de R$ 850 para os professores honra um compromisso firmado em 1994 com os dirigentes educacionais de todo o país. Haddad falou sobre o assunto em audiência pública no Senado Federal.

"Estamos promovendo um resgate histórico de um acordo que foi firmado no Palácio do Planalto há 13 anos e que não foi honrado até o dia de hoje. Nós queremos honrá-lo", disse o ministro. De acordo com ele, cerca de 40% dos professores do país recebem menos de R$ 800.

O ministro disse também que, até o dia 15 deste mês, o Ministério da Educação terá ajustado todas as medidas do Plano Nacional de Desenvolvimento da Educação com a Casa Civil, cabendo ao presidente da República escolher a data da
divulgação oficial. Segundo Haddad, estão previstos investimentode R$ 1 bilhão para o atendimento das metas neste ano. O valor é considerado suficiente pelo ministro.

"É um valor adequado, se pensarmos que o plano está ainda em implantação, sequer foi divulgado, mas, a partir do ano que vem, teremos que ter um acréscimo progressivoao orçamento do MEC para que possamos chegar ao final do mandato com um orçamento adequado aos desafios que o plano promete", afirmou.

Haddad falou ainda sobre o incêndio ocorrido na residência de estudantes africanos da Universidade de Brasília (UnB). O ministro disse que está mantendo contato permanente com o reitor da universidade, Timothy Mulholland, de quem aguarda a conclusão sobre o que de fato ocorreu na universidade.

"Houve um desvio de conduta ali, visível, e é preciso verificar quais são as responsabilidades e quais são as medidas a serem tomadas. (…) É uma situação grave, que vai ser acompanhada detidamente pelo MEC para as providências cabíveis", acrescentou o ministro.