O PFL foi o primeiro partido a promover mudanças por conta do resultado eleitoral de 2006. A Executiva Nacional do partido deverá aprovar, em reunião no próximo dia 6, terça-feira, um calendário para mudar de nome, de estrutura, de estatuto e de programa, através da fusão com um partido de pequeno porte. O nome mais simpático à direção nacional e, por isso, favorito para vingar definitivamente é Partido Democrata.

A novidade foi relatada ontem pelo atual presidente, o ex-senador Jorge Bornhausen (SC), a um grupo seleto de parlamentares do partido. A decisão tem um forte componente político: a idéia da direção nacional é que o novo partido já esteja completamente estruturado em janeiro de 2008, pronto, portanto, para enfrentar o ano de eleições municipais.

Atrativo Eleitoral

A mudança não será uma mera maquiagem. A idéia de efetivar a fusão com um partido de pequena expressão – no momento o PFL negocia com vários deles – objetiva contornar eventuais problemas legais que poderiam ocorrer se o partido simplesmente mudasse de nome, de estatuto e de programa. Com a fusão, a nova legenda vai figurar como um forte atrativo para políticos sem espaço em seus partidos atuais para disputar as eleições municipais de 2008.

O raciocínio dos dirigentes pefelistas é que o novo Partido Democrata poderá, por um lado, se renovar, atraindo políticos sem espaço em outros partidos. Essa movimentação poderá facilitar a mudança de direções estaduais e municipais que não têm demonstrado espírito de liderança. Mas a renovação poderá acelerar, também, a mudança do perfil político-ideológico do partido.

O PFL foi sempre estigmatizado como um partido ‘de direita’. A mudança de nome, de estatuto e de programa vai remar na direção contrária: dar ao partido uma nova imagem. A escolha do nome, também, pretende criar um vínculo de simpatia com o Partido Democrata americano, pois o PD brasileiro vai nascer num ano de preparativos de eleições nos EUA.

Para efetivar as mudanças, a direção nacional do PFL deverá suspender todo o calendário de convenções previsto para 2007. O novo calendário prevê que a convenção para aprovar a fusão deve se realizar ainda em março. O primeiro passo é nomear uma comissão provisória nacional, que nomeará comissões provisórias estaduais, as quais nomearão comissões provisórias municipais.

Os dirigentes pensam em fazer as convenções municipais em fins de outubro ou início de novembro, seguidas pelas convenções estaduais e, no fim do ano ou começo de 2008, a convenção nacional do novo PD.