A Operação Farol da Colina, da Polícia Federal no Paraná, prendeu oito empresários e executou 15 mandados de busca e apreensão efetuadas por determinação dos juízes federais da 2ª Vara Federal Criminal de Curitiba, Sérgio Fernando Moro e Bianca Geórgia Cruz Arenhart. Todos são acusados de evasão de divisas, lavagem de dinheiro, crimes contra o sistema financeiro e ordem tributária e formação de quadrilha ou bando. “Além das prisões foram apreendidos computadores, notebooks, disquetes, comprovantes de remessas de dólares para o exterior, R$ 38 mil em dinheiro e diversos documentos. Quatro dos oito empresários presos pertencem a uma mesma família: Michel Honci Haber, de 77 anos; sua mulher, Elza Xerfan Haber, de 67; o filho deles, Gustavo Xerfan Haber, de 43, além de sua mulher, Meg Luna soares Haber, de 37.

Também foram presos o empresário Fernando Yamada, 50; Fábio Antonio de Oliveira, 47; José Lima Júnior, 46, e sua mulher, Luciene do Nascimento Dourado de Lima, 46. A PF chegou aos nomes dos empresários paraenses através de investigações no Banestado (Banco do Estado do Paraná), cuja CPI investigou a remessa ilegal de cerca de US$ 30 bilhões para o exterior, por meio das chamadas contas CC-5, destinadas a brasileiros que residem no exterior e empresas com sede no exterior.

Os acusados foram interrogados pelo delegado Cristiano Barbosa e só poderão ser soltos com ordem da Justiça Federal paranaense. Vários advogados dos acusados estiveram na sede da PF buscando informações sobre as prisões. A lavagem de dinheiro em casas de câmbio em Belém já ultrapassa R$ 2 bilhões.

A operação Farol da Colina envolve 800 policiais federais em cerca de oito Estados do País. Além do Pará, a operação está sendo realizada também no Rio de Janeiro, Amazonas Paraná, Minas Gerais, São Paulo, Paraíba e Pernambuco.