A Polícia Federal intimará para depor esta semana os sete advogados mineiros que defendem os empresários presos durante a Operação Diamante Negro. Eles terão que prestar esclarecimentos sobre a falsificação de um habeas-corpus que liberou três dos 17 acusados no dia 30 de janeiro, em Minas Gerais.

O casal Emílio e Maria Elizabete Jardim e o filho deles Marcos Vinícios Jardim apresentaram-se à polícia no sábado. Pai e filho estão presos no Departamento Estadual de Operações Especiais. A mulher foi levada para a 16ª Delegacia Distrital. Eles são acusados de envolvimento em crimes como formação de quadrilha, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. No dia 26 de janeiro, foram soltos com base em uma decisão supostamente assinada pelo vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Francisco Peçanha Martins.