Os contratos futuros de petróleo não conseguiram sustentar os ganhos do dia, que levaram a nova máxima em quatro semanas, e fecharam em baixa em Londres e Nova York. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os futuros de petróleo subiram mais de US$ 1 num determinado momento e ficaram próximos da marca de US$ 59 por barril, mas reverteram o curso. Uma liquidação nos contratos de gás natural, em reação ao declínio abaixo das expectativas nos estoques, aumentou a pressão de baixa sobre os contratos de energia.

O vice-presidente sênior da corretora Fimat USA em Nova York, John Kilduff, disse que os operadores decidiram embolsar o lucro quando o petróleo estava ao redor da cotação máxima. "O mercado estava tecnicamente excessivamente comprado (apostando na alta) e falhou em sustentar uma arrancada", disse o analista do BNP Paribas Futures, Tom Bentz. "Os operadores descartaram uma esticada no final do dia. Talvez vejamos alguma seqüência na baixa amanhã", acrescentou.

Contudo, outros analistas disseram que os investidores permanecem apostando na alta dos preços desde que iniciaram uma recuperação no final de janeiro, de uma queda abaixo de US$ 50 por barril, em meio à chegada do inverno nos EUA. "Ainda estamos num surto (de alta) saudável e temos de atacar (a marca de) US$ 60 antes de começarmos a cair em direção aos US$ 50 novamente", disse Kilduff.

No pregão viva-voz da Nymex, os contratos de petróleo para março caíram US$ 0,84, ou 1,44%, e fecharam a US$ 57,30 por barril. A mínima foi de US$ 57,10 e a máxima de US$ 58,86.

Em Londres, na ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para março fecharam a US$ 56,72 por barril, em queda de US$ 0,68, ou 1,19%. A mínima foi de US$ 56,63 e a máxima de US$ 58,37. As informações são da Dow Jones.