O governador em exercício Orlando Pessuti inaugurou nesta quinta-feira (13) o Parque Industrial de Castro ?Antonio Fioravante C. de Napoli?, que marca o início do desenvolvimento industrial da cidade. O pontapé inicial para a industrialização do município foi a instalação da Indústria Perdigão com previsão de 170 empregos diretos. ?A importância desse empreendimento não é só para o município, mas para toda região?, disse Pessuti, ao lembrar que o novo parque industrial vai gerar empregos e trazer mais investimentos.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Cezar Telles, disse que a previsão é de que as Indústrias Perdigão invistam R$ 40 milhões em Castro em de quatro anos. O anúncio oficial da criação da unidade de aves no município foi feito em maio, depois da garantia de apoio técnico e financeiro na instalação da empresa por parte do governador Roberto Requião.

A unidade de Castro será construída em três etapas, marcando a criação do Parque Industrial do município. Serão criados 70 empregos diretos e outros 70 indiretos já na primeira fase da instalação da indústria, este ano. O governo municipal garantiu à empresa a aquisição do terreno, a terraplanagem, e as instalações de água e eletricidade, entre outros serviços de apoio.

O terreno, adquirido pela Prefeitura, tem 35 hectares que receberão as futuras indústrias no município. O secretário Cezar Telles disse que a inauguração do Parque acontece graças a um grande empenho do prefeito Moacyr Elias Fadel Junior, que mesmo sem orçamento previsto conseguiu levar adiante as negociações e deu prioridade à criação do distrito. ?Foi um empenho dele, que buscou desde o primeiro momento o desenvolvimento da cidade com apoio do governador Roberto Requião?, afirmou.

Segundo Telles, a escolha do local foi feita depois de serem feitos estudos e visitas a vários espaços que apresentavam características para abrigar um Parque Industrial no município. O selecionado, às margens da PR-151, apresenta as condições suficientes para receber as indústrias, com topografia adequada, escassez de floresta, acesso às redes elétrica, de telefonia e água e disponibilidade para negociação. ?Encontramos este terreno no momento certo e o antigo proprietário, Edson Ávila, colaborou bastante com o município?, comenta Telles.

Até então, o terreno era utilizado para plantio e pasto. O secretário ainda lembra que os terrenos atrás da área comprada também permitem uma futura ampliação do Parque, de acordo com as necessidades do município. O nome ?Antonio Fioravante Carneiro de Nápoli? foi escolhido como homenagem à família Nápoli, que tem grande presença na cidade.