Brasília – Todos os indicadores de inflação estão em queda na pesquisa que o Banco Central fez com uma centena de analistas de mercado e de instituições financeiras, na última sexta-feira (20), e divulgada no Boletim Focus desta segunda-feira (23). O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de parâmetro para a meta de inflação oficial, deve chegar ao final do ano em 3,78%, ante projeção de 3,81% na pesquisa anterior.

A pesquisa do BC é realizada todas as sextas-feiras, com o objetivo de acompanhar as tendências do mercado sobre os principais indicadores da economia. Mostra, por exemplo, que na perspectiva dos analistas financeiros, o IPCA do mês em curso ficará ao redor de 0,30%, com possibilidade de cair para 0,20% em maio. Eles vêem potencial de redução também no IPCA dos próximos 12 meses, com queda de 3,64%, na semana passada, para 3,59%.

De acordo com a pesquisa, o comportamento de preços no varejo é menor, ainda, na capital paulista. Lá, o Índice de Preços ao Consumidor, medido pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (IPC-Fipe), da Universidade de São Paulo (USP), projeta reajustes acumulados de 3,54% no ano, com redução acentuada em relação à previsão anterior, de 3,72%.

São projeções bem abaixo do centro da meta de 4,50%, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para a inflação deste ano. Estão neste caso, também, os preços administrados por contrato, ou monitorados (combustíveis, energia elétrica, telefonia, medicamentos, educação, saneamento, transporte urbano e outros). A expectativa geral é de que os reajustes acumulados desses preços e serviços fiquem em torno de 3,50% no ano.

As projeções de preços no atacado também estão em baixa contínua. De acordo com os indicadores da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), que previa inflação de 3,84% na pesquisa anterior, reduziu para 3,68%; e o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) cedeu de 3,91% para 3,82% na comparação semanal.