Trinta e oito anos depois de ter marcado seu milésimo gol, Pelé viu com bons olhos, e bom humor, o fato de Romário não ter alcançado a marca no último domingo, no jogo do Vasco contra o Botafogo. "Acho que foi até bom, porque ia ser no 1º de abril e ia ser o gol da mentira. Acho que foi até uma ajudinha que Deus deu pro Romário.

O Rei lamentou apenas a frustração de alguns torcedores, inclusive amigos seus, que segundo ele, ficaram chateados por terem saído do Maracanã sem presenciar o feito do jogador vascaíno. "Ele vai fazer. É claro que ele vai fazer. E é bom porque é mais um que mostra que o futebol brasileiro é o mais ofensivo de todo o mundo", disse Pelé, que destacou ainda o lado positivo da espera. "Os jogos do Rio que não vinham dando renda e foram quase 60 mil pessoas ao jogo do Romário", contabiliza.

Pelé admitiu que a expectativa que antecede a marca do milésimo gol chega a ser um sofrimento. "Quando começa a pressionar é complicado porque você não sabe se pode fazer ou se não pode". E destaca como momento crucial o que esteve de frente para o gol, antes de marcar o seu tento histórico, de pênalti. "Na hora que eu fui bater ali eu nunca tinha visto o gol tão pequeno", disse.

O Atleta do Século 20 esteve em Santos para gravar um comercial beneficente de TV, divulgação da quermesse da escola "Gota de Leite", que há 93 anos atende crianças carentes da cidade. Ao ser lembrado que foi justamente para as crianças que dedicou seu milésimo gol, Pelé disse que é sempre bom trabalhar por elas e que continua fazendo o seu papel.

Solidariedade à parte, o Rei não deixou de alfinetar o recente reconhecimento do Palmeiras como o primeiro campeão mundial de clubes da história. "Esse torneio que o Palmeiras fez eu vi (Copa Rio de 1951), inclusive as equipes que estavam aí. O Santos fez vários torneios na Argentina, no Chile, no México, então o Santos teria uns cinco ou seis títulos mundiais viu? Porque torneio assim, o Santos já fez um monte.