O deputado estadual Romeu Tuma Jr (PMDB) entrou hoje com uma representação no Ministério Público contra a ex-primeira-dama de São Paulo Lu Alckmin, alegando improbidade administrativa. Ela teria ganho de presente 40 vestidos do estilista Rogério Figueiredo.

Tuma diz que sua decisão não é política e que dona Lu, como presidente do Fundo de Solidariedade do Estado, não poderia receber presentes sem declará-los. "Funcionários públicos que recebem presentes devem entrar com um procedimento administrativo de acordo com a legislação, tanto no recebimento como numa possível doação do presente", disse ele.

De acordo com a assessoria da ex-primeira dama, os vestidos teriam sido doados à entidade Irmã Clara de forma anônima, o que, segundo Tuma, fere os procedimentos legais nesses casos. "Os recursos doados por funcionários públicos devem ser levados a leilão", disse o deputado.