A CPI dos Correios aprovou a quebra de sigilo das aplicações no Banco Rural e BMG de mais sete fundos de pensão, dentre os quais a Previ, dos funcionários do Banco do Brasil, um dos maiores do país.

Terão os sigilos quebrados, a o Centrus (Banco Central), Real Grandeza (Vale do Rio Doce), Eletros (Eletrobrás), Serpros (Serpro), Postalis (Correios), Portus (sistema portuário).

Nesta quarta-feira, a CPI havia aprovado a quebra de sigilo das operações no Banco Rural e do BMG de três instituições: Funcef (Caixa), Geap (servidores federais) e Petros (Petrobras).

Os parlamentares investigam se houve irregularidade nos empréstimos concedidos pelo Banco Rural e BMG ao empresário Marcos Valério. Há suspeitas de que o dinheiro tenha vindo de aplicações dos fundos de pensão.