Zilda Arns apresentou aos
secretários e ao governador o
trabalho da Pastoral da Criança.

coordenadora nacional da Pastoral da Criança Zilda Arns apresentou, na reunião do secretariado desta terça-feira (04), o trabalho que vem desenvolvendo ao longo dos últimos 20 anos, que tem como prioridade a universalização das ações sociais. O governador Roberto Requião disse que se inspirou na Pastoral para a elaboração dos programas sociais de seu governo.

No ano passado, a Pastoral contou com um orçamento de R$ 26,14 milhões, o que correspondeu a um gasto mensal de R$ 1,33 por criança. A maior parte dos recursos é aplicada em capacitação dos líderes e voluntários. Dona Zilda lembrou que todas as aplicações financeiras da Pastoral são submetidas a auditorias interna e externa por uma empresa especializada e também pelo Tribunal de Contas.

A entidade desenvolve trabalhos para redução da mortalidade infantil, reversão da desnutrição de crianças e educação de jovens e adultos. Atualmente a Pastoral está presente em 66% dos municípios brasileiros, com 242 mil voluntários que atendem 1,32 milhão de famílias e 1,81 milhão de crianças na faixa de zero a seis anos. No Paraná, a Pastoral atende 20% das 480 mil crianças consideradas pobres.

Para manter a eficiência nesse atendimento, dona Zilda Arns disse que a Pastoral vem investindo muito na capacitação das lideranças nas comunidades. “Não adianta ter apenas gente bem intencionada para trabalhar. Elas precisam ser capacitadas”, reforçou. Outro aspecto que a entidade valoriza bastante é a manutenção de um sistema de informação para avaliar os resultados que vêm e voltam para a base, como estímulo ao trabalho.

O governador Requião afirmou ter aprendido muito com a Pastoral, especialmente com a universalização das ações. Disse que o governo do Estado. Nessa linha política, o governo do Estado implantou o programa Leite das Crianças, que inclusive é supervisionado pela Pastoral da Criança. Atualmente está presente em 301 municípios e até junho deverá atingir a totalidade do Estado. Outros programas que atendem os mais pobres implantados em seu governo são a tarifa social para água e esgoto e o Luz Fraterna, além da isenção de impostos para as pequenas e microempresas, que são as geradoras de emprego e renda.

Políticas Públicas

Zilda Arns defendeu a adoção de políticas públicas sociais que atendam a criança desde a gestação, porque a formação da cidadania da criança, segundo ela, começa ainda na barriga da mãe. “Se a criança nascer de um parto tranqüilo, com bom atendimento no hospital e for estimulado o aleitamento materno, estaremos evitando problemas de saúde física e mental ao longo da vida”, justificou.

Dona Zilda solicitou ao governador Requião que incentive a difusão no Paraná do programa Amigo da Criança nos hospitais do Estado. Para ela, vale a pena investir nesses programas, que têm papel fundamental para a redução da violência ao estimular a vinda de crianças mais tranqüilas e sadias. “Um País só vai bem quando as pessoas estão bem”.

Zilda Arns chamou a atenção para a necessidade de programas governamentais de atendimento em larga escala e a baixo custo, como os que vêm sendo realizados pelo governo do Paraná. Ela defendeu a necessidade de fortalecer o tecido social através das comunidades como forma de se reduzir a corrupção. Como exemplo, citou o estado do Maranhão, que apesar de receber tantos recursos ao longo dos anos, possui elevados índices de miséria e analfabetismo.

A coordenadora da Pastoral destacou o investimento na educação integral de crianças e jovens, com estímulo para as artes, esportes e trabalho. “Essa formação integral do cidadão reduz drasticamente a marginalidade”, ensinou.