Além de trazer sérios danos à saúde, o cigarro também pode gerar grandes prejuízos ao bolso de um tabagista. É o que mostra um simulador de gastos com o fumo desenvolvido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). A ferramenta é simples de usar e o fumante pode calcular o valor médio gasto em cigarros.

Nela, o usuário só precisa indicar a idade que começou a fumar, a idade atual, o valor médio da marca de cigarro preferida e a quantidade de maços fumados por dia. Depois de selecionar os itens, o simulador calcula quanto um fumante gastou ao longo da vida comprando maços de cigarro. Os números podem ser assustadores. Uma pessoa que fumou durante 10 anos um maço de cigarros por dia no valor médio de R$ 2,60 gastou um total de R$ 9.360.

A ação faz parte da campanha da SBC contra o tabagismo, lançada hoje (29), Dia Nacional de Combate ao Fumo. A ideia de mostrar o prejuízo financeiro que um fumante pode ter ao longo de sua vida é mais uma das estratégias utilizadas pelas entidades de saúde brasileiras para tentar frear o avanço do tabagismo no País. Além de informar os valores gastos em cigarro ao longo da vida, campanhas tentam mostrar que o cigarro pode gerar problemas de segurança e meio ambiente.

De acordo com números da SBC, o consumo de 20 cigarros por dia é responsável pela morte de uma árvore a cada 15 dias. Além disso, o ato de jogar bitucas no chão, mar e rios pode resultar na morte de animais silvestres e aquáticos, que ingerem os restos de cigarro achando que são alimentos.

Já Organização Mundial de Saúde revela que o cigarro é responsável por 10% dos incêndios, resultando em mais de 300 mil mortes todos os anos no mundo. “Aqui no Brasil estamos em um período de seca e os fumantes precisam deixar de fumar e não jogar as bitucas no mato”, lembra o cardiologista Márcio Gonçalves de Sousa, coordenador do Comitê Antitabaco da SBC.

A instituição acabou de lançar uma cartilha, que além de apresentar os riscos ecológicos envolvidos com tabaco, também orienta que a fumaça do cigarro possui 4.720 substâncias tóxicas, incluindo a acetona, o monóxido de carbono e o arsênico e alerta para os riscos do Naguirlé. “Isso “virou moda’ e é pior do que o próprio cigarro. A água do Naguirlé não filtra as toxinas presentes no tabaco e o fumante ingere a quantidade de até 100 cigarros em uma sessão”, conta o cardiologista.