A divulgação das cinco mortes por gripe A (H1N1) neste ano no Paraná acendeu o alerta sobre os cuidados para evitar a doença. Segundo a Secretaria da Saúde (Sesa), este vírus está com circulação mais acentuada em relação ao ano passado. Apesar da gripe A H1N1 assustar, há outros vírus de gripe circulando e todos merecem atenção porque também podem matar.

O médico infectologista Alceu Fontana Pacheco Junior explica que a gripe causada pelo vírus H1N1 tem registrado mais mortes em relação a outros tipos da doença. Em média, varia entre 5% e 10% dos casos confirmados. Em outras gripes, a letalidade pode chegar a até 5%. “Pode evoluir para pneumonia, o que agrava o quadro e pode levar à morte”, explica. Tudo vai depender de cada organismo, de acordo com Angela Maron, coordenadora do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde da Sesa. Ela ainda ressalta que, nas cinco mortes confirmadas pela gripe A, houve a predominância em adultos jovens.

Sazonal

A Sesa informa que a gripe H1N1 já é considerada sazonal. Neste ano não houve mortes por gripe pelo vírus H3N2, mas em 2011 isto aconteceu. “A diferença para a H1N1 é por ser um vírus que está circulando recentemente no mundo”, afirma Angela.

Dicas pra evitar a doença

As recomendações para evitar qualquer tipo de gripe são lavar muito bem as mãos, proteger a boca e o nariz quando for espirrar, evitar aglomerações, deixar os ambientes arejados e manter as superfícies limpas. O álcool 70º pode complementar a higiene. “Somente a vacina não consegue quebrar a cadeia de transmissão. A vacina foi dirigida para determinados grupos: crianças, gestantes, pessoas acima de 60 anos e profissionais da saúde. Parcela significativa da população ficou de fora”, comenta Alceu Fontana Pacheco Junior. A vacina contra gripe está disponível também em clínicas particulares.

Os sintomas de todas as gripes são os mesmos: febre, tosse e dor de garganta, acompanhados ou não de dores de cabeça, no corpo e nas articulações. Febre alta repentina chama atenção. “As pessoas demoram um pouco para procurar o serviço de saúde. Os sintomas podem ser início de qualquer doença. Mas pode também ser sintoma de um caso mais grave de gripe”, ressalta Angela, da Sesa. O quanto antes a medicação começar, melhor. Mas tudo vai depender do diagnóstico do médico, de acordo com Alceu Fontana Pacheco Junior.