Foto: Ciciro Back/O Estado

Fim do protesto será às 13h.

Os professores da rede estadual de ensino permanecem em vigília na frente do Palácio Iguaçu, no Centro Cívico. Eles reivindicam equiparação salarial com outras categorias de servidores do Estado e a reformulação do plano de carreira. O término do protesto está marcado para as 13h de hoje, quando a vigília completará 48 horas. Às 11h, os professores participam de um ato público, junto com outros servidores, já que hoje é a data-base das categorias ligadas ao governo do Estado.

Segundo o presidente da APP-Sindicato, José Lemos, a reunião com a base governista continua marcada para segunda-feira, às 11h. "Queríamos antecipar para apresentarmos a contraproposta do governo aos professores o mais breve possível. Mas de qualquer forma, esperamos que a promessa seja cumprida e as lideranças do governo realmente tenham uma proposta na segunda".

Os professores pedem um reajuste médio de 56,94%, divididos em duas parcelas – uma em junho, outra em dezembro. Estudo do Dieese mostra que o reajuste provocaria um impacto reduzido na folha de pagamento do Estado – de 1,77% agora e de 2,52% no ano que vem.

A categoria tem dois projetos de lei, de autoria de 17 deputados, a serem votados pela Assembléia Legislativa, referentes à equiparação salarial e ao plano de carreira. Porém, com o recomeço do diálogo entre a APP-Sindicato e as lideranças do governo, a votação foi adiada. Caso não haja acordo, eles devem ir a pleito já na semana que vem.