Buracos, falta de sinalização, lama e ausência de espaço adequado para circulação de pedestres e ciclistas. Esta é a realidade da Rua Vereador Wadislau Bugalski, em Almirante Tamandaré, Região Metropolitana de Curitiba. Há meses foram iniciadas obras de alargamento e troca de asfalto da via, que vai da ponte que faz a divisa entre a capital e Tamandaré até a PR-092. Porém, as melhorias nunca foram concluídas. “A Wadislau Bugalski está intransitável. Quem passa por ela com frequência, como eu, acaba com a suspensão, os amortecedores e os pneus do veículo”, comenta o caminhoneiro autônomo Marcos Antônio Didone.

Proprietária de uma mercearia, Janaína da Silva reclama da lama gerada pela obra inacabada. “Quando chove, o que incomoda é o barro. E em períodos de seca, ninguém aguenta a poeira”, diz. O comerciante Leandro Rodrigues tem uma borracharia na beira da via. Ele conta que, semanalmente, no mínimo cinco veículos param em seu estabelecimento com pneus danificados por causa dos buracos. O procurador-geral do município de Almirante Tamandaré, Martinho Carlos de Souza, informa que duas empresas foram contratadas em 2007, por meio de licitação, para executarem as obras na rua. No entanto, os contratos previam a finalização dos trabalhos no primeiro semestre de 2008, o que não aconteceu. Segundo Souza, as empresas não cumpriram o prazo e, por conta disso, a prefeitura rescindiu os contratos e agora está abrindo uma nova licitação para que outras empresas terminem as obras. A previsão do procurador é que as obras sejam reiniciadas ainda no primeiro semestre deste ano.