Esta é a última semana da campanha de vacinação contra a gripe, que será encerrada na sexta-feira (25). De acordo com Programa Estadual de Imunização, até esta segunda-feira (21), mais de 935 mil paranaenses, da meta de 1,3 milhão, receberam a dose.

A vacina está disponível em todas as unidades de saúde, das 8h às 17h, para pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, crianças com idade entre seis meses e dois anos, indígenas e trabalhadores da área de saúde que atendem casos de gripe.

Dos 399 municípios, apenas 40 atingiram a meta de vacinação estipulada pelo Ministério da Saúde (80%). Os municípios de Fernandes Pinheiro, Goioxim, Nova Aliança do Ivaí e Bela Vista do Caroba vacinaram mais de 93%.

“Estamos intensificando a campanha nas regionais de saúde para que os municípios vacinem todos os grupos prioritários até sexta-feira”, afirmou o superintendente de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz. O Ministério da Saúde ainda não informou se a campanha será prorrogada.

Indígenas

A atualização dos dados da vacinação é realizada online pelos municípios. De acordo com Programa Estadual de Imunização a melhor adesão à campanha no estado é da população indígena, que alcançou 89,5% de cobertura, o que representa mais de 11,8 mil vacinados. Neste público, a vacinação ocorre nas aldeias.

Mais de 127 mil crianças receberam a vacina, o que representa 57% do total. Já entre os idosos, o índice de cobertura vacinal até agora foi de 54,7%. O percentual corresponde a quase 640,4 mil pessoas com 60 anos ou mais.

Também foram vacinados 63,8 mil trabalhadores de saúde, o que representa 45,9% do total. As gestantes alcançaram o percentual de 44,1% de cobertura, ou seja, 49,3 mil futuras mães procuraram uma unidade de saúde para receber a vacina.

A vacina protege contra os três vírus influenza mais circulantes no país: influenza A (H3N2) – sazonal, influenza A (H1N1) e influenza tipo B. “A vacina leva cerca de 15 dias para começar a proteger a pessoa e como o inverno está chegando é fundamental que os grupos definidos como prioritários sejam vacinados o quanto antes”, reforçou Paz.

Crianças

As crianças de seis meses a menores de dois anos que não receberam a dose da vacina no ano passado, deverão receber duas doses (a segunda dose 30 dias após a primeira).

Já as crianças que receberam as doses na campanha passada serão imunizadas com apenas uma dose. “É essencial que os pais levem a carteira de vacinação dos filhos para que as doses fiquem registradas”, destacou o superintendente.

A vacina só é contraindicada para pessoas com histórico de reação anafilática ou alergia severa ao ovo de galinha e seus derivados, assim como a qualquer componente da vacina, e também para pessoas que apresentaram reações anafiláticas graves a doses anteriores.

Medicamento

Desde 2011, a Secretaria da Saúde faz um acompanhamento das síndromes respiratórias e oferece o medicamento oseltamivir para todos os casos em que é recomendado. Com o monitoramento são identificados novos subtipos virais, o que permite a detecção de possíveis vírus pandêmicos.

De acordo com o Informe Semanal n.º 13 do Centro de Informações e Respostas Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs) este ano já foram registrados 14 casos de influenza A (H1N1) no Estado, e dois deles evoluíram para a morte do paciente.

No primeiro, o paciente estava em São Luis (MA) e apresentou os primeiros sintomas em 17 de janeiro. Ele veio a Curitiba e, de acordo com a equipe médica, apresentou febre, tosse, dispnéia, dor torácica e taquicardia. Foi hospitalizado e morreu dia 21 daquele mês.

O segundo caso é um homem, de 41 anos, morador de A,storga. Ele apresentou sintomas em 12 de março e morreu quatro dias depois. Segundo a ficha epidemiológica, o paciente tinha quadro de obesidade mórbida e, apesar do tratamento, morreu.

Recomendações para prevenção de infecções respiratórias:

• Higienize as mãos frequentemente utilizando água e sabão, especialmente após tossir ou espirrar;

• Utilize solução de álcool gel após a higiene das mãos;

• Evite tocar mucosas de olhos, nariz e boca após contato com superfícies (mesas, computadores de uso comum, maçanetas, botões de elevador, entre outros);

• Não compartilhe alimentos, copos, talheres, toalhas e objetos pessoais;

• Ao tossir ou espirrar, cubra a boca e o nariz com lenço descartável;

• Sempre que possível, evite aglomerações ou locais pouco arejados;

• Mantenha ambientes ventilados, inclusive em transportes coletivos;

• Adote uma rotina frequente de limpeza dos sistemas de ar condicionado;

• Evite o contato próximo com portadores de síndromes gripais ou outras doenças respiratórias;

• Adote uma rotina frequente de limpeza do ambiente em que vive.