A família de Isaías Expedito Pereira, de 40 anos, que morreu nos Estados Unidos no último dia 7, vendeu um terreno e conseguiu os US$ 9 mil necessários para o traslado do corpo até Tapejara, no noroeste do Paraná. Uma sobrinha de Pereira que mora em Boston (EUA) está acertando os detalhes.

?Estão achando que é difícil, porque já faz 20 dias que morreu?, disse o pai, Conrado Pereira Filho. Se o corpo não puder vir, o dinheiro será utilizado para o enterro nos Estados Unidos. ?Ele terá um sepultamento digno?, comentou o pai. Isaías deixou a mulher e um filho de 6 anos em Tapejara e vivia clandestinamente nos Estados Unidos desde novembro de 2004. No dia 8 de fevereiro de 2005 sofreu um acidente, com fraturas no pescoço e na coluna, e ficou impossibilitado de continuar trabalhando.

Como tinha esperanças de receber uma indenização, acabou ficando nos EUA. Iria fazer uma cirurgia no dia 4 de junho. Na véspera de sua morte, ele ligou para o Brasil reclamando de fortes dores, o que o obrigou a tomar uma dose maior de morfina. Foi encontrado morto pelo dono da pensão, que avisou a família.