Foto: Daniel Derevecki

Velas pretas como protesto.

Em reunião fechada e com proteção da Polícia Federal (PF), o Conselho Universitário (Coun) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) decidiu por 26 votos contra 17 pela adesão da instituição ao Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). Antes da deliberação, os conselheiros rejeitaram por 32 votos a 14 a realização de um plebiscito com a comunidade universitária para decidir sobre a adesão ao programa. A consulta era exigida pelo grupo de estudantes que ocupa a reitoria da UFPR desde o último dia 17. A reunião aconteceu na ala da maternidade do Hospital de Clínicas. Alunos e professores contrários à adesão ao Reuni permaneceram do lado de fora aguardando o resultado da votação.

Sob os olhares atentos de homens armados e munidos de gás de pimenta, eles realizaram diversas manifestações em frente ao hospital. Além de faixas e cartazes, muitos deitaram no chão formando uma cruz e acenderam velas pretas para simbolizar o ?sepultamento da democracia?.

Para o diretor do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) e ex-professor de Economia da UFPR, Lafaiete Neves, a universidade estava dividida em relação ao Reuni. ?O plebiscito é o melhor caminho para ouvir a população, mas sabemos que esse reitor não tem tradição de democracia, por isso ele chama a polícia para lhe dar proteção?, criticou.

Em entrevista coletiva, o reitor da UFPR, Carlos Augusto Moreira Júnior, divulgou a síntese do projeto da universidade para o Reuni. No documento, constam a criação de 1.508 novas vagas de graduação, com 21 novos cursos e ampliação do número de vagas em outros 19; a abertura de 1.512 novas vagas em pós-graduação, sendo criados 24 novos cursos de pós, 11 de doutorado e 13 de mestrado. ?A maioria das novas vagas será criada no período noturno?, adiantou. Para suportar a nova demanda de alunos, está prevista contratação de 235 novos docentes para trabalho no regime de dedicação exclusiva (DE) e 396 novos servidores técnico-administrativos.

Segundo Moreira Júnior, o investimento total até 2012 deve chegar aos R$ 248,5 milhões. Só para as áreas de infra-estrutura e equipamentos devem ser destinados R$ 59,1 milhões, que serão utilizados para a construção de mais 50 mil metros quadrados de área e a reforma de 41 mil metros quadrados de áreas já existentes na universidade. ?Nós temos um compromisso com a comunidade externa. Todo ano são 40 mil pessoas que tentam o vestibular e apenas 4 mil ingressam na UFPR. As mudanças serão implementadas a partir do primeiro semestre de 2008 para receber os novos alunos com todas as condições no início do ano letivo de 2009?, explicou.

Ainda apresentando os resultados da reunião do Coun, Moreira Júnior anunciou a criação de duas comissões subordinadas ao conselho. A primeira, formada somente por integrantes do órgão, deverá fiscalizar a aplicação dos recursos do Reuni na UFPR. A segunda, de composição paritária (com representação de professores, técnicos, alunos e comunidade externa), vai tratar de negociar a desocupação da reitoria. ?Esse assunto saiu das minhas mãos e será tratado exclusivamente por esta nova comissão?, afirmou.

Em assembléia realizada na noite de ontem, os estudantes que ocupam a reitoria iriam decidir sobre os rumos do movimento. Inicialmente, segundo a estudante Alexandra Bandoli, a saída do prédio não constava na pauta de discussão. Até o fechamento desta edição, a assembléia não havia terminado.