Foto: Ciciro Back

?Camas? improvisadas.

Um laudo final e conclusivo sobre as condições do prédio da Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que ficou ocupado por estudantes por 28 dias, só sairá daqui a três dias. É que segunda-feira todos os funcionários que trabalham no prédio e foram impedidos de entrar pelos estudantes voltarão a ocupar seus postos. Um relatório fotográfico já foi feito para documentar a situação.

De acordo com o pró-reitor de Administração da UFPR, Flávio Zanette, foram tiradas cerca de 150 fotos de todos os locais onde os estudantes circularam nesses 28 dias. ?Os alunos concordaram e nós tiramos as fotos mostrando a situação de como o prédio foi entregue. Mas uma conclusão definitiva nós só teremos na segunda-feira, com a entrada dos funcionários?, disse. Segundo Zanette não foram identificados danos em portas, janelas e móveis, e a reitoria estava limpa e sem lixos.

Os gabinetes e secretarias que abrigam a Procuradoria Federal, a secretaria do conselho, contabilidade, finanças e planejamento estavam lacradas e não foram usadas pelos alunos. De acordo com o pró-reitor, eles circularam pelos corredores, salas do reitor, vice-reitor e conselho universitário. Zanette negou que a Polícia Federal foi chamada para vistoriar a reitoria devido a realização do vestibular no domingo. ?Isso só seria necessário se os alunos permanecessem na reitoria, pois os prédios ao lado serão locais de provas?, falou.

Motivo

Os estudantes invadiram a reitoria por não concordarem com a adesão da UFPR ao Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). A reinvidicação dos invasores, porém, foi rejeitada em reunião do Conselho Universitário (Coun), no dia 30. Na mesma sessão, os conselheiros decidiram pela adesão da universidade ao programa do governo federal.

A demora para a desocupação, no entanto, se deu também devido ao receio ás punições aos líderes do movimento. Mas a concessão do status de movimento político, recomendado em parecer pela comissão paritária criada para negociar a desocupação, pôs fim ao impasse. E na noite de quarta-feira, os estudantes deixaram o prédio da reitoria.

O reitor da UFPR, Carlos Augusto Moreira Júnior, reconheceu que o prazo para adesão ao Reuni, dado pelo Ministério da Educação (MEC), pode ter sido curto. ?Resta aqui um grande aprendizado para todos. A universidade é um espaço para debate e ele tem que existir sempre?, afirmou.

Escola política

Coincidência ou não, os manifestantes só deixaram o prédio um dia após a eleição para o Diretório Central dos Estudantes da UFPR. O pleito foi vencido pela chapa ?Sonhos não envelhecem?, formada por estudantes que estavam na Frente de Luta Contra a Reforma Universitária, e que participaram da ocupação da reitoria. A chapa, que tinha apoio do PSOL, PSTU e PCB, teve 3.036 votos, contra 2.733 da ?Agora só falta você?, que contava com suporte do PT, PMDB e PTB.