Trabalhadores da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, entraram em greve por tempo indeterminado, com corte de rendição, a partir da tarde de ontem. O motivo é o impasse nas negociações relativas à pauta de reivindicações sobre segurança.

A Unidade de Destilação (U2100), onde ocorreu explosão seguida de incêndio no dia 28 de novembro e paralisou a produção de toda a refinaria desde então, teve suas obras de recuperação concluídas. A entrada em operação possivelmente aconteceria ontem, mas os petroleiros entenderam que não há condições de segurança para isso acontecer, por isso decidiram cruzar os braços.

Segundo o Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina (Sindipetro), outro motivo para a greve é a defasagem no efetivo, já que a produção praticamente dobrou após as obras de ampliação, mas o número de trabalhadores não acompanhou a evolução. Levantamento da entidade aponta que seriam necessárias 500 contratações imediatas.