Os trabalhadores da construção civil rejeitaram por unanimidade a oferta de 7,5% de reajuste salarial apresentada, ontem, pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná (Sinduscon-PR). Após a reunião entre os dois sindicatos, foi realizada uma assembleia na sede social do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil de Curitiba e Região Metropolitana (Sintracon) que não só reprovou a proposta, mas também acatou o indicativo de greve para o próximo dia 17. Caso não haja entendimento até a data, os funcionários do setor vão cruzar os braços em toda Curitiba e região.

 

 

“Nossa intenção não é a greve, tanto que demos quase duas semanas para que os empresários do setor cheguem a um percentual razoável, ou seja, acima de 10%”, explicou o presidente do Sintracon, Domingos Oliveira Davide. O vice-presidente da área de políticas e relações do trabalho do Sinduscon-PR, Armando Bosco Martins Ribeiro, defendeu que historicamente as empresas concederam aos trabalhadores ganhos reais e que isso deveria ser levado em conta.

“Não há como comparar com outras negociações que ficaram defasadas ao longo dos anos. Além disso, os 7,5% ofertados, segue preservando o ganho real (2,64%) e mais a reposição inflacionária (4,86% pelo INPC)”, informou. Ribeiro disse que os empresários devem se reunir antes da próxima rodada de negociações com o Sintracon, marcada para terça-feira, às 9h, no Sinduscon.