Foi-se o tempo em que nomes como Maria e José eram os mais utilizados pelos pais no momento do registro dos filhos. Nos últimos anos, os nomes conhecidos como tradicionais foram substituídos. Gabriel, Júlia, Lucas, Gabriela, Mateus, Tiago e Vitória foram alguns dos nomes mais registrados nos últimos meses em Curitiba. De acordo com o Cartório de Registro Civil e Tabelionato do Portão, em Curitiba, a preferência por nomes compostos também está se tornando uma constante. O estabelecimento realiza cerca de 15 registros por dia.

Além de Maria e José, João é outra opção que está sendo descartada pelos pais. A funcionária do cartório, Silvana Graciano, trabalha há seis anos no local e afirma que o uso de nomes compostos nem sempre funciona, apesar de ser bastante procurado. “Virou uma febre, mas nem sempre a junção dos dois nomes escolhidos pelos pais fica bom. Mas como está na moda, a grande maioria acaba utilizando”, diz.

O cartorário destacou também que sempre surgem os chamados “nomes fortes”, como Maria Antonieta, Dora e Maria Helena. Outro exemplo que chama a atenção dos funcionários do cartório são os nomes pouco comuns. Matheus Benjamin, Gabrielle Ayala, Richardyn Kauê e Hanna Gabriela são alguns dos vários exemplos.

Influência

Personagens de novelas e comerciais acabam influenciando na escolha dos pais diretamente. Segundo o funcionário Ricardo Leão, do Cartório do 1.º Ofício de Registro Civil, isso acaba se tornando moda. “Foram registradas várias Jades por causa de uma novela. Artistas também acabam influenciando. Já registramos um Maicon Jackson e algumas Alanis (Morissette – cantora canadense)”, explica.

O “estrangeirismo” nos nomes está cada vez mais presente. Os cartórios ressaltam que mesmo escritos de maneira errada, os pais fazem questão de modificar o nome. Alguns exemplos são Jhennifer, Sthephanie, Wellingthon. “Várias vezes acontece isso. Eles querem colocar letra onde não deveriam, e acaba ficando estranho. Isso acontece muito”, completa Ricardo.