Reivindicação antiga da região noroeste do Paraná, a conclusão das obras na Estrada Boiadeira, a BR-487, ainda não tem data definida para acontecer. Se as licitações acontecerem da forma prevista pelo Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (Dnit), as intervenções podem ser retomadas no ano que vem.

om um total de 595 quilômetros, a Estrada Boiadeira liga Dourados (MS) a Ipiranga (PR). Deste total, 470 quilômetros estão no trecho paranaense. O que falta é o asfaltamento dos 161,4 quilômetros entre as cidades de Campo Mourão e Porto Camargo. Segundo o Dnit, o trecho de Cruzeiro do Oeste até Porto Camargo (de 82,4 quilômetros) deve ser licitado ainda este ano, dependendo de licença ambiental.

De Araruna a Cruzeiro do Oeste, as obras estão paradas há mais de quatro anos por determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), com a alegação de “conluio de empreiteiras” e fraude na licitação. De acordo com o Dnit, a nova liberação do TCU já ocorreu. Um dos lotes será liberado para a empreiteira ganhadora da licitação à época prosseguir com as obras, enquanto o outro lote deverá ser licitado novamente. A partir da licitação, a expectativa do Dnit é que as obras possam ser retomadas no início de 2009. O único trecho concluído, de 33 quilômetros, começou a ser feito na década de 1980, ligando os municípios de Campo Mourão e Araruna.

Demora

Falta de interesse político é o fator apontado pelo deputado estadual Douglas Fabrício (PPS) para a demora na conclusão dos trechos da Boiadeira. “É uma região esquecida politicamente. Em campanha eleitoral, o governador Roberto Requião (PMDB) foi até a região e prometeu fazer metade da estrada, enquanto o governo federal faria a outra parte. Mas tudo isso foi esquecido”, reclama o deputado, que pretende reunir um grupo de deputados para fazer uma nova visita à rodovia federal na semana que vem a fim de checar as condições da BR-487.

A Estrada Boiadeira foi aberta no início do século passado por tropeiros que traziam gado comprado no Estado do Mato Grosso para engorda no Paraná. A via é rota importante, utilizada para escoar a produção agropecuária do Estado.