Mais de 140 mil pessoas sem luz, quase 60 árvores caídas, destelhamentos, alagamentos e desmoronamentos que afetaram 464 pessoas e deixaram uma dezena de pessoas desalojadas em todo o Paraná.

Esse foi o saldo parcial do vendaval, das chuvas e do granizo que atingiram principalmente as regiões oeste, sudoeste e noroeste do Paraná entre o final da madrugada e a manhã de ontem.

A região norte de Cascavel foi fortemente afetada. O Corpo de Bombeiros atendeu três quedas de árvore, dez destelhamentos, dois alagamentos e um desabamento.

Em 90 mil lugares, a energia elétrica foi interrompida pela manhã. Só na região rural foram 15 postes derrubados pelo vento. Em Furnas, a 20 quilômetros de Cascavel, três torres de energia foram derrubadas mas, de acordo com a assessoria de imprensa da Eletrobras, não houve perda de carga.

Em Maringá, no noroeste, a situação foi mais crítica. Mais de 50 árvores caíram por todas as partes da cidade e um rapaz ficou ferido quando uma delas tombou sobre seu carro.

Doze mil pessoas ficaram sem energia pela manhã. Até o final da tarde, a situação ainda não tinha sido normalizada em 1.800 casas, comércios ou fábricas. Em toda a região noroeste, 17,5 mil locais ficaram sem energia até o início da noite. Foram envolvidos 258 funcionários da Copel nos trabalhos de recuperação da rede.

O granizo atingiu a cidade de Laranjal, no sudoeste, deixando dez desalojados e dois desabrigados. Também foram registrados prejuízos, sem feridos, em Braganei, Medianeira e Marmeleiro. As regiões de Curitiba e Ponta Grossa não registraram nenhuma ocorrência grave devido aos ventos e chuvas.

De acordo com o tenente Pinheiro, da Defesa Civil, apesar de muitos, os estragos não foram tantos quanto nos outros eventos de temporais. “Passamos um alerta para todo o Estado e estamos acompanhando a possibilidade de evolução das ocorrências”, explica.

O Corpo de Bombeiros de Paranavaí está mobilizado nas buscas pelo delegado Luiz Carlos Azevedo, que pescava com dois amigos no Rio Paraná, em Marilena, quando o vento derrubou a embarcação onde eles estavam. Os dois colegas foram resgatados, mas até a noite de ontem, o delegado ainda não tinha sido localizado.

Previsão

De acordo com o meteorologista Marcelo Brauer, do Instituto Tecnológico Simepar, o vento surgiu quando uma área de instabilidade, associada a um intenso sistema de baixa pressão formado entre o sul do Paraguai e o oeste do Rio Grande do Sul, formou uma frente fria e cruzou o Estado, onde as temperaturas estavam quentes.

“Quando a frente fria passa por uma área que está muito quente provoca aumento de vento. Os eventos mais severos acontecem antes da chegada da frente fria. Depois que ela passa, o vento e a chuva diminuem”, explica.

O Simepar registrou ventos de 107,6 km/h em Cascavel, 73,1 km/h em Maringá, 68,8km/h em Cambará e 59,8 km/h em Apucarana. Já o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) identificou 88,6 km/h em Planalto, 93,2 km/h em Foz do Iguaçu e 80,6 km/h em Paranapoema, quase na divisa com São Paulo.

A nebulosidade e os ventos derrubaram a temperatura em todo o Estado. Em Curitiba, que registrou na quarta-feira máxima de 27ºC, ontem foram registrados apenas 21ºC.

Em Londrina, a temperatura caiu de 32ºC na quarta para 25ºC ontem, e a previsão é de que, pela manhã, de hoje até domingo as mínimas fiquem ainda mais baixas. “No norte, próximo à divisa com São Paulo, há condição para chuva, mas não há indicativo de nada semelhante ao que ocorreu ontem”, ressalta o meteorologista.

Já sabendo da previsão do tempo e das condições favoráveis a neblina e chuva fraca nas rodovias que cortam os Campos Gerais, Região Metropolitana de Curitiba, Serra do Mar e praias, a Polícia Rodoviá,ria Federal emitiu nota pedindo atenção redobrada para quem pretende viajar no feriado da padroeira do Brasil.

A Operação Nossa Senhora Aparecida começa hoje à meia-noite e vai até terça-feira. No sábado, das 6h ao meio-dia, e na terça das 16h às 22h, será restringido o trânsito de veículos pesados.