Após reclamações de usuários ao serviço de táxi, agora é a vez do protesto de taxistas. De acordo com os motoristas, há excesso de multas dos fiscais da Urbs e a falta de pontos de táxi compromete o serviço. De acordo com o taxista Fábio da Fonseca Taborda, há excesso de rigor dos fiscais da Urbs que multam nos intervalos dos motoristas. A regra diz que os trabalhadores têm 15 minutos de descanso, mas Taborda afirma que não há controle nas multas. “Se o taxista deixar o carro no ponto e for ao banheiro custa R$ 40, por qualquer coisa somos multados. E o valor da multa dobrou se motivo”, reclama.

O taxista Antônio Rodrigo, que trabalha na região do Terminal do Carmo, conta que fiscal da Urbs chegou a encostar a mão no capô do táxi para ter certeza se o carro estava parado há pouco tempo. “Um colega me salvou. Tinha ido ao banheiro e meu amigo disse ao fiscal que eu tinha acabado de sair. Então, o sujeito da Urbs meteu a mão no capô pra ver se ainda estava quente, pra checar realmente se eu estava há pouco tempo parado. Sorte que meu colega interveio, senão tinha recebido a multa”, conta.

Ponto livre

A categoria também reclama do pequeno número de vagas nos pontos em regiões de maior movimento. “Quem procura táxi depois de ir ao bar curtir com os amigos não encontra ponto. Na Avenida Batel chega a 20 mil pessoas por noite, circulando de bar em bar e tem muitos e turistas. Alguém viu táxi? Vai ser difícil, pois estamos fugindo dos fiscais, do Setran, da polícia ou qualquer outro giroflex”, desabafa Taborda.

O motorista Hans Paulo Glockner, que trabalha na região do Pilarzinho, afirma que a única solução para o problema é a implementação do ponto livre. “Hoje os pontos privados têm poucas vagas para outros taxistas e assim prejudica o serviço”, explica. O presidente de um dos sindicatos que representa a categoria também acredita que o ponto livre melhora o serviço. “Como o ponto livre vai aumentar a circulação de táxis, isso vai ajudar os usuários e os taxistas” explica Abimael Mardegan, presidente do Sindicato dos Taxistas do Estado do Paraná (Sinditáxi-PR).

Critério das notificações

Sobre as multas aplicadas aos motoristas durante o tempo de intervalo, Abimael Mardegan afirma que já há cobrança na Urbs para rever os critérios das notificações. “Hoje não temos defesa. Multou, tá multado. Estamos tentando negociar algum tipo de acareação, porque as multas são aplicadas de qualquer maneira”, explica.

De acordo com a Urbs, estudo para aumentar o número de vagas nos pontos de táxis já existentes está sendo desenvolvido em parceira com a Setran. Em relação às notificações, o órgão afirma que o regulamento dos taxistas determina }que é proibido manter o táxi fechado nos pontos e há permissão para os motoristas em qualquer outro lugar que as leis de trânsito permitam para o intervalo. Ainda segundo a Urbs, boa parte das denúncias de carros fechados nos pontos parte dos taxistas.