O governador do Paraná, Beto Richa, renovou nesta quinta-feira (3) o convênio com a prefeitura de Curitiba que garante um repasse mensal de cerca de R$ 7,5 milhões para subsidiar a passagens dos ônibus da Rede Integrada de Transportes (RIT), que beneficia moradores de 14 municípios da Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Inicialmente, o convênio entre as administrações iria vigorar somente até agosto.

A medida permite que a tarifa do transporte coletivo permaneça R$ 2,70 para os usuários, quando o valor de gerência do sistema de integração está R$ 3,18. Além do repasse de subsídio, o governo estadual também se comprometeu a manter a alíquota zero sobre o óleo diesel do transporte coletivo, o que significa mais R$ 40 milhões anuais em isenção tributária para 21 cidades paranaenses.

“Com este aditivo, o Governo do Paraná mantém o propósito preservar a população de qualquer problema que possa haver”, argumenta o secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano João Carlos Ortega.

As cidades atendidas são Curitiba, Campo Largo, Cascavel, Guarapuava, Londrina, Maringá, Foz do Iguaçu, Ponta Grossa, Paranaguá, São José dos Pinhais, Fazenda Rio Grande, Bocaiúva do Sul, Rio Branco do Sul, Itaperuçu, Campo Magro, Almirante Tamandaré, Colombo, Araucária, Contenda, Pinhais e Piraquara.

Negociação

No começo do ano, após motoristas e cobradores de ônibus reivindicarem atualização salarial, a prefeitura de Curitiba e o governo do estado entraram em desalinho sobre o futuro da RIT. Enquanto Richa afirmava que não poderia liberar um novo subsídio, Fruet argumentava que a capital não conseguiria arcar com os custos do sistema.

Em março a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) e a Urbanização de Curitiba S/A (Urbs) renovaram o convênio, estabelecido em 2013, para o repasse de verba para o custeio do atual modelo de transporte.