As pesquisas sobre a reprodução do papagaio-de-cara-roxa em cativeiro vão ter continuidade. Foi renovado ontem o convênio entre a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem (SPVS) e a Prefeitura de Curitiba, que realizam o estudo há dois anos. A espécie está ameaçada de extinção e, se a população diminuir ainda mais, haverá a necessidade de inserir outros animais na natureza. No entanto, até agora nenhum casal conseguiu se reproduzir.

Desde 2003, a SPVS mantém o estudo em parceria com o Zoológico de Curitiba. Os seis casais de papagaio que vivem no local ganharam gaiolas separadas e ninhos. Mas apenas uma fêmea pôs ovos e, mesmo assim, eles não se desenvolveram. Para a coordenadora do projeto, Elenise Sipinski, é importante que as pesquisas continuem para que a reprodução em cativeiro possa ajudar a repovoar a natureza numa eventual necessidade. Hoje existem 4,9 mil indivíduos no litoral do Paraná. Em 1997 eram 3,6 mil.

A veterinária Luciane Popp explica que existe muita dificuldade para a formação certa dos casais. Para tentar superar o problema, estão realizando um estudo sobre os hormônios de cada um. Vão ser analisadas cerca de mil amostras de excrementos e o mapeamento deve estar pronto até o início do ano que vem. Segundo ela, a reprodução em cativeiro é possível. Sabe-se que em São Paulo houve um caso, no entanto não houve monitoramento para saber em que condições ocorreu.