O Sindicato dos Motoristas e Cobradores de ânibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) protocolou na quarta-feira pedido de dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-PR), com objetivo de buscar mediação para a negociação salarial da categoria. Segundo o Sindimoc, o sindicato patronal (Setransp) recusou a contraproposta de acordo elaborada e aprovada pelos motoristas e cobradores em assembleia no último dia 1º de fevereiro.

Segundo o presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira, com o dissídio, a intenção é evitar uma nova greve de ônibus na capital paranaense. Ele entende que este é o último recurso, tanto referente à negociação quanto para garantir o pagamento salarial em dia. Os trabalhadores pedem 11% de reajuste salarial, ponto em que há concordância com o Setransp. A assessoria de imprensa do sindicato patronal informou que o único impasse em relação à questão se refere ao vale-alimentação, que atualmente é de R$ 415. Os motoristas e cobradores pedem R$ 500 e as empresas de ônibus oferecem R$ 460. O Setransp informou que irá esperar a audiência marcada no TRT-PR para dar sequência às negociações e evitar prejuízos à população.