Depois de um mês de greve, os servidores municipais de Londrina voltaram ao trabalho. O prefeito Nedson Micheleti assinou um decreto ontem que prevê a reposição de 23 dias parados e ainda desconto em folha de pagamento do restante, que correspondem a sábados e domingos. O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Marcelo Urbaneja, criticou a decisão do prefeito. Eles tinham assinado um acordo que previa a negociação dos dias parados. Na próxima semana realizam assembléia e não descartam a possibilidade de retomarem a greve.

De acordo com o prefeito, dos 31 dias em greve (incluído o dia de paralisação do 1.º de março), serão descontados oito correspondentes aos finais de semana (sábado e domingo) do período que não foi trabalhado. ?Serão descontados dois dias por mês nas folhas de abril, maio, junho e julho?, explicou Nedson.

Os demais dias, no total de 23, serão pagos pelos professores em reposição das aulas e em horas-extras pelos demais servidores. ?Cada secretário será responsável em organizar o pagamento dos dias parados. As escolas apresentarão à Secretaria de Educação seu calendário de reposição de aulas. Os servidores que tiverem banco de horas poderão descontar os dias em greve?, declarou o prefeito.