Foto: Ciciro Back

Baranhuk: falta informação.

Em todo o mundo ocorrem, por ano, cerca de três milhões de acidentes de trabalho com agulhas contaminadas por material biológico. A informação é da Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, segundo especialistas, não há dados estatísticos que mostrem fielmente o problema. A Norma Regulamentadora (NR) 32, em vigor no País desde abril, é uma esperança para quem trabalha nessa área e convive com o perigo todos os dias, mesmo sem se dar conta. Ontem, profissionais de saúde e de segurança no trabalho participaram do Seminário de Segurança e Saúde no Trabalho em Serviço de Saúde, em Curitiba.

A NR 32 determina que todas as empresas da área de saúde ofereçam a seus funcionários um documento no qual conste os riscos a que estão expostos, além das formas de prevenção. O engenheiro de segurança no trabalho da Fundação da Universidade Federal do Paraná (Funpar), Marcelo Baranhuk, ressalta que embora os dados sejam subnotificados, há pesquisas que evidenciam que a quantidade de acidentes de trabalho na área de saúde já supera o setor da construção civil. ?Há muita desinformação dos próprios trabalhadores. Muitos acham que por trabalharem com saúde estão imunes, esquecem de se cuidar. O seminário de hoje procura esclarecer as dúvidas?, comenta o engenheiro.

Uma das participantes do seminário, a gerente de Produto da Linha de Segurança da multinacional Bbraun, Luciana Affonso, diz que um dos grandes problemas é o desconhecimento sobre o assunto. ?O empresário vai acabar economizando mais se investir em segurança do que se for gastar com o tratamento de seu funcionário que já se acidentou. Há pesquisas que evidenciam isso?, explica. A empresa já desenvolveu um cateter periférico com dispositivo de segurança, para evitar acidentes durante o manuseio em um paciente, por exemplo. Um dos organizadores do seminário, o diretor de Administração e Finanças da Funpar, Paulo Krüger, lembra que acidentes de trabalho são comuns em todas as áreas, mas na área de saúde o funcionário acaba sendo afastado por um longo prazo. ?Um acidente com agulha ou bisturi pode infectar com doenças muito graves, como aids e hepatite?, comentou.