As pessoas que foram retiradas na quarta-feira da Área de Proteção Ambiental às margens da BR 277, em São José dos Pinhais, pretendem se organizar para ir até a Prefeitura da cidade pedir uma solução para o problema. Segundo um dos líderes do grupo, Valmecir da Silva, as famílias não têm condições de pagar aluguel. Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de São José dos Pinhais, no dia da desocupação os sem teto puderam se cadastrar para entrar na fila e esperar por um terreno como os outros. Mas a maioria foi embora e não quis se registrar. A Secretaria Municipal de Habitação tem hoje 1.600 famílias cadastradas e até o fim do ano 450 lotes vão ser entregues.